3/26/2012

Entrevista com Yelawolf e Fefe Dobson



O site Soundvillage entrevistou esses dias Yelawolf e sua namorada Fefe Dobson, os dois estavam em Trinidad e Tobago, na América do Sul, e o representante do site, Paxx, teve a chance de fazer uma entrevista e descobrir o que eles estavam fazendo ali.

Paxx: Primeiramente, o que traz vocês a linda ilha de Trinidad?

Yela: Bom a Fefe está gravando um filme aqui, então eu vim para dar suporte a ela.

Paxx: Aquele filme com a Tatyana Ali?

Fefe: Isso! Esse mesmo.
Paxx: Legal. Então quais os pensamentos de vocês sobre a ilha até agora? Algum lugar que vocês já tenham experimentado e gostado?

Yela: Hum, Sim, nós fomos uh... (risos). Na verdade, nós fomos? Ah sim, a comida do Hotel é uma loucura de gostosa. O Chef preparou um buffet com Jerk Chicken e umas coisas, estava muito bom. No EUA tem poucos lugares com influência do Caribe, ou tanto faz...
Fefe: A verdade é, nós precisamos de alguém que nos mostre as redondezas...

Yela: A verdade é que nós estamos esperando um LOCAL para nos levar a "aquele" lugar. Você sabe aquele lugar? Com um buraco na parede, como, você sabe, a receita da avó de alguém, algo assim...
Fefe: Ou a casa da avó de alguém!

Yela: Isso! Como a casa da avó de alguém, você sabe?

Paxx: Você quer saber? Vou falar para minha avó cozinhar algo para vocês.(risos)

Yela: Beleza, na real, se você ir pro Alabama, eu gostaria de te levar para esse lugar nas montanhas, tem a melhor comida do interior que você já comeu, você sabe, aquele buraco na parede, eu tenho certeza que esses lugares não tem. Eles não tem alma, nos queremos ir em um lugar com alma, você sabe? A comida tem o gosto melhor quando alguém canta no lugar ou você vê alguém cozinhando. Eu não vim para Trinidad para comer Sushi, você sabe?
Fefe: (risos) Mas a gente ama sushi.....

Yela: Yeah nós amamos sushi, mais até agora a comida não tem sido boa. Com exceção a do hotel, e deixa eu te falar, os filhos da puta não são baratos, é +- US $100, isso é mais do que pagamos na América. Eu quis dizer, estava delicioso, mais não é AQUELA coisa. Nos só queremos ir num lugar onde as pessoas se importem com sua comida.

Paxx: Entendido.

Yela: Ah é mesmo, e até nas compras, quando você olha nas lojas, é como... Nos não queremos comprar coisas Americanas, eu quero comprar alguma coisa de Trinidad. Sabe, alguma coisa que você compra e diz " Isso é de Trinidad" , sabe do que eu to falando?

Paxx: Sim cara eu te entendo, então sobre música. O seu álbum Radioactive ganhou 4.5 mics na pesquisa, o que faz dele como um álbum clássico. Como você se sentiu vendo isso?


Yela: (Com cara de decepção) Bom... Pra te falar a verdade, nós tínhamos 5mics, mais o editor foi demitido. Então o 4,5 foi meio que doce, sabe? Eu realmente apreciei, e eu estou honrado por ter ganhado 4,5 ou tanto faz, mais me fez sentir ótimo em saber que ganhei 5mic antes. Criticamente significa muito, e eu acho que é importante saber que o trabalho que eu apresento é apreciado, e alguém se importa. Eu apenas fui abençoado o suficiente para que alguém que senta atrás de uma mesa, fã de música ou não, você sabe, um crítico, e eu sou agradecido a ele, sabe? E eu sou mais agradecido ainda a pessoa que me deu 5mic, mais ele foi demitido...

Paxx: Espera... Foi porque ele te deu aquela nota? 

Yela: Eu não acho que ele foi demitido porque me deu 5mics... (risos)... Mas se foi, isso é ainda melhor. Eu ainda quero o resto da metade do meu mic, ta ligado? Eu quero cara.... Meu próximo álbum já esta sendo trabalhado mentalmente, eu estou tentando descobrir o que eu tinha esquecido antes... Eu vou descobrir!

Paxx: Então eu vi no Radioactive que você tem colaborações bastante diferentes para um artista popular, como a Gangsta Boo, a Fefe Dobson e o Kid Rock, quem eu não vi na cena do Hip Hop por um tempo. O que te inspirou a ir com esses artistas ao invés dos artistas comerciais?


Yela: Eu acho que eu fiz porque a primeira vez que tive oportunidade de fazer colaborações foi com Trunk Muzik, e eu apenas queria alcançar os OGs. Eu sempre quis fazer, porque eu queria isso pra mim mesmo. Quando eu tiver 40 e este álbum ainda estiver detonando (cruzando os dedos), e alguém com 25 ou 30 anos pode olhar e dizer "Ei cara eu quero você nessa música porque eu olhei pra você nessa situação" , em vez de olhar pra direita e pra esquerda, eu acho que os artistas tem que sempre olhar pra cima...Então como Bun B e Raekwon em Trunk Muzik, eu apenas estava dando respeito a quem me inspirou, e isso transbordou em Radioactive. Por exemplo, quando conheci a Fefe nós ficamos muito próximos, e eu fiquei inspirado com a música dela e com seu estilo, então a oportunidade de colocar ela em "Animal" veio e aconteceu perfeitamente. E a mesma coisa aconteceu com Kid Rock, eu sou um fã do que ele já fez culturamente, a música dele é importante pra mim. Eu também tentei colocar pessoas locais, como, Shawty Fatt e o Rittz, então é apenas ser honesto com a música que você gosta de fazer, nos apenas mantemos em família, e fora da família nos escolhemos pessoas que pensamos serem autenticas. Nós poderíamos ter escolhido qualquer pessoa, mais isso é besteira, muita besteira. Você não quer fazer isso.

Paxx: Tem algum outro artista que você gostaria de trabalhar?

Yela: Cara, a lista de aristas que eu quero trabalhar nunca vai acabar, sério. Toda vez que alguém me pergunta isso eu respondo "eu não sei". Eu já disse Anthony Kiedis, Willie Nelson , James Taylor . E enquanto o hip hop tiver rolando, com o Andre 3000, Devin The Dude, e eu também quero trabalhar com a Bjork.

Paxx: Qual sua faixa favorita no Radioactive e por quê?

Yela: Bom....depende do dia. "The hardest love song in the world" é com certeza uma das minhas favoritas, "Animal" , "Gutter" e "The last song" que significa muito pessoalmente pra mim.

Paxx: Tem algum projeto pra vit de você, ou de alguém do seu crew como Rittz?

Yela: Rittz na verdade acabou de lançar "white Jesus" que é uma mixtape que saiu muito bem, e ele estava em turnê comigo. E ele esta pra lançar algo chamado "Resurrection". Eu tenho uma Ep que esta pra sair com o Travis Barker, é um mix louco e estamos saindo com uma colaboração de roupas, chamado "Country Fresh". Nos também estamos trabalhando em um clipe para Gutter, e a minha coleção de roupas Slumerican esta fazendo uma colaboraçãao com a linha Dimond. O filme da Fefe esta pra sair também, chamado "Home again". Além disso, eu estou plantando sementes em Nashville e começando a trabalhar no meu próximo álbum. Para minha próxima turnê, eu irei fazer de moto, mais a Fefe não quer, basicamente vou estar em uma Harley com outras 4 pessoas e o ônibus de turnê irá nos seguir o caminho todo.

Paxx: Yo, eu acho isso bacana.

Fefe: É bem legal mais eu tenho medo.

Paxx: Haha, Então não tem nenhuma outra questão enquanto você ter sido presenteado liricamente.

Yela: Obrigado cara.

Paxx: Sem problema. Mas sendo um rapper branco tem te dado algum tipo de problema até agora?

Yela: Bom, ser um rapper branco... É tipo, eu sou um rapper branco, e nós temos um presidente negro. Você tem que aceitar isso. Você vai fazer coisas que as pessoas não esperam.  O problema é que as pessoas me dão mais crédito por algo não tão especial, e me tiram crédito de algo que é especial. Se eu me afundo, eles ficam tipo "ohhh!!" mais tudo mundo afunda... Deveria ser como eu afundei, ou aonde eu afundei, com quem, ou o que era tão especial a respeito disso, e não porque  aconteceu porque eu sou branco. Eu quero que seja especial, mais não porque sou branco. Apenas como qualquer um que escolhe uma carreira e coloca as caras na propaganda culturamente, que encare os problemas. Vocês com certeza devem encarar esse tipo de problema por causa do Hip Hop americanizado. O que eu acho que funciona é, se você representa sua cultura, e é totalmente honesto, vai funcionar. Por exemplo, eu sou do Alabama, eu sempre fui honesto, esse sou EU. E se você não gosta, foda-se! Eu já vi de tudo Dawg, como quando eu estava em tuor com o Wiz Khalifa... Eu digo isso porque ele tem uma camiseta do Taylor Gang, cara. (risos) 

Paxx: Hahaha. Então todo rapper sonha trabalhar com o Eminem e o Dr.Dre. Como esta sendo essa experiência pra você? Como é isso?


Yela: Cara, eu posso te falar isso, eu apenas tenho que rezar pra quando eu chegar na idade do Marshall, eu possa ter metade da mente brilhante daquela pessoa. Algumas pessoas são bem presenteadas e o Marshall foi. O meu é apenas meu, mais o que dividimos é a paixão, honestidade e o respeito liricamente. E também gostamos de representar o que somos, e pra que estamos aqui. Tipo, qualquer um pode ser um rapper, mais tipo “Quem é você fora do palco? Quem é você em casa? quem são seus pais? Você age daquele jeito na frente da sua mãe?” Eu sei que eu sim, minha família sabe quem eu sou, este sou eu. Talento pode ser difícil, mais autenticidade é uma benção de Deus. Você não pode aprender como ser real, e é isso que eu e o Eminem compartilhamos. E enquanto a referência de sermos rappers brancos, nós fazemos graça disso, porque isso é a minoria falando artisticamente. Além do mais, ele tem sido um grande mentor, ele tem feito muito sem nem precisar falar nada. A única coisa que preciso fazer é apertar play, tem conselho suficiente nas músicas dele.

Paxx: Legal cara. Então desde que você esta aqui, você teve a oportunidade de escutar música da ilha?

Yela: Uh.. (olha pra Fefe). Nós escutamos soca. (Para fefe) Você sabia o que era soca? Eu nem sabia o que era soca de primeira...

Fefe: Honestamente, nós não tivemos a oportunidade de ir em nenhum lugar autentico. Todos os lugares que fomos estavam tocando musica americana, Nos não tivemos a oportunidade de sair e escutar a música de Trinidad. Mas nos iremos, com certeza.

Paxx: Foi o que vocês disseram mais cedo. Nós temos muitos rappers em Trinidad. Algum deles já chegou em você e pediu pra escutarem a musica deles?

Fefe: (risos) Isso acabou de acontecer. Ele nem tinha um cd, uma demo ou qualquer coisa, ele apenas se aproximou de nós...

MH: (risos) Eu sei quem é, um bom amigo meu, e ele é realmente bom, eu tenho um cd dele no meu carro.

Paxx: Quem é ele?

Mh: Primo Sparxx.

Paxx: Ohh.

Yela: Bom é isso, o único cara...

Fefe: E você também, até pensamos que não tentaram nos dar nada.

Paxx: (risos) É porque meu pai é um grande artista aqui, e ele odeia ser incomodado, então não faço isso com os outros. O nome dele é David Rudder

Fefe: Beleza, eu vou procurar.

Paxx: Como vocês já sabem, tem uma cena bem grande de Hip Hop aqui também. Mas mesmo com talento, é bem difícil um rapper de Trinidad ser notado. Você tem algum conselho para o pessoal daqui do Hip Hop?


Yela: Se você é de Trinidad, e você quer fazer impacto, você tem que ser bastante honesto com sua cultura. Eu acho que o problema maior no Hip Hop internacionalmente, é que tem sido "trend" como uma merda. Uma vez que sai todo mundo esta fazendo. Isso faz soar antenado, você pode baixar um estilo. Então se você vier de Trinidad, seja Trinidad, O que é Trinidad? Eu sei que não é apenas pão integral ou bicicletas do Mike ou Sushi. Você pode ir em uma footlocker no Alabama e falar, isso aqui não é Alabama. Tudo que você precisa fazer é apertar play em "Pop the trunk" ou "Let's Roll" e então você vai ver o Alabama. Por isso é atraente, porque é real. Você sabe por que a galera ama o Kanye? Chicago. Você sabe por que a galera ama o Outkast? Atlanta. Você sabe por que a galera ama o Dr. Dre? Compton, Califórnia. O que você está representando? Seja Honesto.

Fefe: Eu acho que você não tem que ser apenas honesto com o lugar de onde veio mais também com o que esta vivendo, incluindo emocionalmente.

Yela: Isso é verdade. A Fefe é de Toronto, e mesmo que ela não cante sobre isso eu sinto autenticidade na musica dela, então isso é verdade. Mas ela ainda representa certas culturas, rock n roll, então tem algo nela que significa algo culturalmente.

Fefe: Como a Amy Winehouse. Ela é de Londres, mais ela não canta sobre nada além do que vem do coração dela. Eu acho que mulheres vem com letras diferentes em relação aos homens. Nós somos emocionais (risos). Basicamente depende do que vem no seu coração, sabe? Se Trinidad é o que está no seu coração, então você deveria cantar sobre isso. Se o amor esta no seu coração, então você deveria cantar sobre isso.

Paxx: Isso é louco. Você se veria trabalhando com algum artista de Trindad?

Fefe: Como você?

Paxx: Claro por que não?

Fefe: Ou talvez seu pai!

Paxx: Isso seria a coisa mais louca de todas.

Yela: Honestamente eu me vejo fazendo. E você Fefe?

Fefe: Eu acho que quando você escuta uma música com paixão independente de que país seja, e te faz tremer, você deveria fazer.

Yela: Exato, não importa. Eu juro por Deus, você nunca sabe de onde a próxima música vai vir.

Fefe: Você pode escutar uma música e você pode escutar uma criança cantando na rua e achar isso incrível. Eu comecei com 13 anos, escrevendo para umas Boy Bands local. Então nunca se sabe.

Paxx: Beleza. Valeu pela entrevista, foi um prazer conhecer vocês. Duas das pessoas mais legais que eu já conheci.

Yela: Valeu cara, eu agradeço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário