11/25/2011

Revista The Guardian entrevista Yelawolf

Nós do Yelawolf Brasil, trazemos com exclusividade a tradução da matéria dada pelo Yelawolf para uma revista européia, abaixo confira fatos sobre a vida do mais novo astro do hip-hop.


 "Eu sou o coração da América" diz Yelawolf."
 
     O rapper Yelawolf do Alabama é uma das vozes mais vitais do hip hop, contando histórias do interior, da vida dura e da escuridão ao ínves de vanglória e diamantes.
     Alguns anos atrás Yelawolf, o auto denominado "Jogado na sarjeta em um riacho no Alabama", foi assinado por Eminem, ele queria ser um skatista profissional mais as poucas lesões que sofreu foram suficientes provocar a mudança para a música.
     Na noite anterior da nossa entrevista, yelawolf subiu no set de aparelhagem de 20 pés de altura em Los Angeles e se jogou na multidão, um show eletrizante, movido por adrenalina, mas que acompanha um internação hospitalar por um rim machucado. "Não é a primeira vez que fiz algo desse tipo", ele estremece.

      Com seu álbum de estréia Radioactive recém-lançado, após duas mixtapes ( Muzik Trunk e Trunk Muzik 0-60) de qualidade surpreendente no ano passado, Yelawolf - nascido Michael Atha em 1979 - está lançando-se no hip-hop com a mesma energia imprudente. Suas forças parecem particularmente em desacordo com o local onde o gênero encontra-se em 2011. Em contraste com  Jay-Z e Kanye West.
        Yelawolf retrata a pobreza rural todos os dias com a precisão evocativa de um mestre contador de histórias - bem como um grande orgulho de seu próprio passado.
      E, apesar as semelhanças visuais entre dois meninos magros brancos, Yelawolf certamente não é "o novo Eminem": ele não é um produto de Detroit, nem  sua reputação foi construída sobre a cultura pop, sagacidade e piadas.
      Ele se destaca por transmitir um medo ameaçador Sobre o Pop Trunk . "Daddy's Lambo", ele fala sobre a história de uma mimada de Beverly Hills, princesa e seu palácio, a fim de explorar suas motivações: "estrelas pop como você precisa de um cara como eu a apreciar sua riqueza / Eu sei que você tem um elevador em sua casa, mas comigo você aprecia os passos ", zomba Yelawolf na música - enquanto que para tudo o que ele realmente é dar uma volta no carro de seu pai.

        Bem como o Skate, os anos de formação de Yelawolf foram marcados por  ficar drogado nas florestas do Alabama. "Eu era uma merda de menino branco", ele ri. Desde os 12 anos de idade envolvido com drogas, como cherar cola e aos 13 colocando cocaína sobre folhas de maconha ele diz " eu era um menino bem ruim, e fiquei ruim nas drogas antes que eu tivesse 20 anos." Sera que ele sente saudades daqueles dias? "eu sinto falta de ter essa liberdade mental."  
          Yelawolf transformou toda sua jornada em um álbum de soberba: com destaques no  filme de terror assustador que ele cresceu na sarjeta. Yelawolf também tira boas curvas como a musica "Animal" produzido com ex-teen pop cantora Fefe Dobson e co-escrito notavelmente pelo talentoso cantor Atlanta Nikkiya , e uma letra, prima sem retoques a seu pai como em The Last Song. Pode não parecer como uma partida natural para muita coisa acontecendo no rap ou pop agora - mas quando se trata  de auto-foco que ainda tem ressonâncias mais amplo, Yelawolf sente como uma das vozes mais importantes ao redor.


Um comentário: